A ideia de criação da CAMRJ surgiu na cidade de Aix-en-Provence – França, em 2010. O Advogado e Professor Raphael Magno Vianna Gonçalves, à época mestrando em Direito Marítimo e dos transportes na Université Paul Cézanne Aix-Marseille III, juntamente com o renomado Professor Philippe Delebecque, notaram a necessidade do desenvolvimento da arbitragem não somente no Brasil, mas em toda América Latina como forma de desafogar o judiciário estatal e proporcionar uma solução adequada aos peculiares litígios inerentes às atividades de transporte e atividades marítimas.

 

Dispor de uma competente Instituição de Arbitragem no Brasil traz segurança jurídica às partes envolvidas assim como evita que haja tentativa de fuga da morosa jurisdição brasileira e também de outros países da América Latina, para as câmaras e tribunais europeus e americanos, concentrando, no Brasil, os litígios que têm relações mais conexas com os países latino-americanos.

 

Com o apoio da “Chambre Arbitrale Maritime de Paris” através do seu presidente Philippe Delebecque (Professor da Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne), assim como de outros profissionais e juristas consagrados mundialmente, houve a junção da experiência europeia em arbitragem com o conhecimento jurídico peculiar às atividades marítimas.

 

Participaram diretamente da constituição e fundação da CAMRJ, os juristas brasileiros, Raphael Magno Vianna Gonçalves, Ronald Farias da Rocha, Marcus Mó Passos, Igor Vianna Lanza, além da Professora Dra. Eliane Maria Octaviano Martins, maritimista conceituada mundialmente, que preside a CAMRJ.

aviao.png
caminhao.png
barco.png